Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Belo Horizonte

Antes de realizar o comício de Belo Horizonte, o governador Tancredo Neves reuniu-se com comandante da II Divisão do Exército, general Eduardo Lopes, para garantir que manifestação seria pacífica. Seu objetivo era superar os comícios de Curitiba e São Paulo. Fez bonito: na praça Rio Branco, em frente a Rodoviária, compareceram milhares de pessoas. Os organizadores e jornalistas calcularam que a multidão reunia 300 mil manifestantes. No palanque, além de Tancredo, estavam Ulysses Guimarães, Lula, Franco Montoro, Leonel Brizola, José Richa e mais dois governadores: Wilson Martins, do Mato Grosso do Sul Gérson Camata, do Espírito Santo,além de deputados estaduais e federais de vários partidos, inclusive do PDS. O repórter Ricardo Kotscho, da Folha de S. Paulo esteve lá e presenciou o momento em que, espantado com o mar de gente, o governador mineiro deu um passo para trás ao entrar no palanque.

Brizola mencionou as críticas frequentes do governo e do PDS em relação à presença de bandeiras dos partidos clandestinos, como o PCB e o PC do B:

Querem nos amedrontar com ameaças, dizendo que há meia dúzia de bandeiras vermelhas. Devem dizer que nossas bandeiras estão vermelhas é de vergonha, pelo que fizeram com este país. Os militares não precisam ter medo de serem julgados, pois quem não deve, não temos. Queremos é que quem roubou, quem assassinou seja julgado.

Tancredo chamou a atenção para o caráter pacífico do movimento:

Minas não podia deixar o Brasil sem sustentação nesta hora. E disse em alto e bom som que o povo brasileiro não abre mão do direito de votar. A tranquilidade deste comício foi uma demonstração de civismo.

O discurso final foi de Ulysses:

"A emenda Dante de Oliveira foi aprovada aqui, por esta multidão...

Em seguida, a multidão cantou Peixe Vivo, música-símbolo de Juscelino Kubitschek, o Hino da Independência e acompanhou Fafá de Belém no Hino Nacional. Num prédio das redondezas, poesia em faixa colocada pelos estudantes de Engenharia Civil da UFMG, anotada por Ricardo Kotscho:

Hoje somos ondas soltas e tão fortes como eles nos imaginam fracas/ Quero ver quando invertida a corrente como eles resistem à surpresa/ Como eles reagem à ressaca.