Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag Censura:

Notícias e comentários sobre o projeto Brado Retumbante

Entre 1964 e 1985, a mídia desempenhou mais de um papel na luta pela democracia. Durante um longo tempo, jornais, revistas e emissoras de rádio e TV foram alvo da censura - com intensidade variável. Na campanha das diretas, alguns veículos tiveram mais relevância do que outros. Mas quase 30 anos mais tarde, o apoio da mídia tradicional pode ajudar no resgate da memória coletiva. Esta aba foi criada para registrar essas notícias.

Lembranças do primeiro debate na TV

Na disputa pelo voto direto para o governo dos estados, em 1982, um fato novo foi o uso da televisão. Com a censura abrandada pela abertura política no governo João Figueiredo (e que começara com seu antecessor, Ernesto Geisel) a oposição conseguiu espaço para responder aos ataques do candidato do governo num evento inédito: um debate ao vivo.

Cobertura da Globo

Há uma interminável polêmica sobre a cobertura que a TV Globo dispensou ao comício da Campanha das Diretas, em 25 de janeiro de 1984, na Praça da Sé. A própria emissora apresenta o depoimento de vários profissionais envolvidos na cobertura. O projeto Brado Retumbante pediu para ouvir alguns deles, mas a assessoria de comunicação informou que isso não seria possível, pelo fato do material vir ser disponibilizado no Youtube - com quem a Globo ainda negocia a inserção de conteúdos.

A mídia e as Diretas

O primeiro jornal a se engajar efetivamente Campanha das Diretas foi a Folha de S. Paulo. Aqui, vários jornalistas- da Folha e de outros veículos - tratam do assunto. E reconhecem que a militância a favor da democracia os levou a inflar muitos cálculos das multidões.

O caso de Calabar

A ação da censura no regime militar está em boa parte, documentada. No caso dos jornais, as "recomendações" chegavam por telefone ou telex e muitas vezes iam parar no lixo, tão logo o assunto deixasse de ter atualidade. Nos veículos submetidos à censura prévia, como O Estado de S. Paulo, Veja, Opinião, Movimento, O São Paulo, entre outros, ainda há o que divulgar.