Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag Fafá de Belém:

Um jeito inovador de recontar as Diretas Já

Em 1984, milhões de brasileiros saíram às ruas para exigir um dos mais legítimos direitos da cidadania: eleger o seu presidente. Após vinte anos do golpe militar, o Brasil se unia e aderia em peso à campanha das Diretas Já. Estava em pauta a aprovação da Emenda Dante de Oliveira que restabelecia as eleições diretas no país.

Novo portal ouve quem lutou e resgata o movimento das Diretas Já

Editoria: Site 16/09/2011 – sexta-feira

Setenta personalidades gravaram vídeos, entre eles: Fernando Henrique Cardoso, José Sarney, Eduardo Suplicy, José Serra, Marcelo Tas, Franklin Martins

Belo Horizonte

Antes de realizar o comício de Belo Horizonte, o governador Tancredo Neves reuniu-se com comandante da II Divisão do Exército, general Eduardo Lopes, para garantir que manifestação seria pacífica. Seu objetivo era superar os comícios de Curitiba e São Paulo.

O Comício do Anhangabaú

No dia 16 de abril de 1984, aconteceu no Vale Anhangabaú, em São Paulo, o último grande comício da Campanha das Direta. Na mobilização, agora coordenada por um comitê com mais de cem entidades, foram utilizados três milhões de panfletos, 100 mil cartazes e chamadas no rádio e na TV.

O Comício da Sé

Num almoço de confraternização com repórteres políticos, no final de 1983, o governador Franco Montoro deu um passo decisivo na campanha das diretas. De acordo com João Russo, editor de política da Folha na época, quem tomou a iniciativa de cobrar mais atuação em favor da campanha foi Galeno de Freitas, colunista e repórter do jornal.

Diretas Já

Desde que o primeiro ato institucional permitiu a eleição indireta do marechal Castelo Branco, as diretas passaram a fazer parte do programa da oposição. Mas durante um longo tempo, a tese aparecia em segundo plano, ofuscada pela proposta de uma assembleia nacional constituinte, sem a qual, imaginavam políticos e teóricos, seria inútil restaurar o voto direto.