Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag Golpe de 64:

Site vai contar história das Diretas Já

Os senadores paranaenses Álvaro Dias (PSDB) e Roberto Requião (PMDB) são os únicos políticos paranaenses cujos depoimentos sobre as Diretas Já constam do site www.brado retumbante.org.br, que será lançado no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, no próximo dia 19. O site tem a pretensão de ser o maior acervo na internet sobre o período entre o Golpe Militar de 1964 e o Movimento Direta Já, 1m 1984. O jornalista Paulo Markun entrevistou centenas de personalidades para o site.

O diário de Mourão Filho

Olympio Mourão Filho foi um dos generais mais exaltados da conspiração militar. De Juiz de Fora, foi ele o primeiro comandante que saiu com suas tropas em direção ao Rio de Janeiro, para enfrentar o governo de João Goulart. Crente do avanço concreto das “forças comunistas” no país, acreditava que as tropas conspiratórias lutariam até a morte contra os janguistas. Era o golpe militar.

Abaixo, um trecho do diário, que virou livro, do general mineiro:

Notícias do golpe na imprensa

O Presidente da República sente-se bem na ilegalidade. Está nela e ontem nos disse que vai continuar nela, em atitude de desafio à ordem constitucional, aos regulamentos militares e ao Código Penal Militar. Êle se considera acima da lei. Mas não está. Quanto mais se afunda na ilegalidade, menos forte fica a sua autoridade. Não há autoridade fora da lei.

Censura

A censura não se instalou nas redações imediatamente após o golpe militar. Grande parte dos jornais apoiava o movimento. Os jornais esquerdistas foram fechados sem mais. A Última Hora, que imprimia mais de 100 mil exemplares por dia no Rio e em Recife, foi empastelada. certamente tentaria resistir, empastelados. Seu dono, Samuel Wainer, ainda estava asilado na embaixada do Chile quando recebeu a primeira proposta de compra do jornal, vinda de um grupo de empreiteiros de obras públicas.

SNI

O Serviço Nacional de Informações nasceu em julho de 1964, mas há muito tempo a espionagem operava no país. Desde 1956, o serviço secreto brasileiro teve cinco siglas diferentes – Sfici (Serviço Federal de Informações e Contra-informação), SNI (Serviço Nacional de Informações), DI (Departamento de Inteligência), SSI (Subsecretaria de Inteligência) e Abin (Agência Brasileira de Inteligência) – e ocupou diversas posições dentro da estrutura do Executivo.

A morte de Vladimir Herzog

Vladimir Herzog morreu no dia 25 de outubro de 1975, durante uma sessão de tortura, na rua Tomás Carvalhal, 1030, no bairro do Paraíso, em São Paulo, num prédio utilizado pelo Destacamento de Operações Internas – Comando Operacional de Informações do II Exército.

Eleições de 1982

As primeiras eleições diretas para governador após o golpe militar (e a parcial de 1965) aconteceram em 15 de novembro de 1982 e foram o maior pleito da história política do país, até então. O eleitor podia escolher seis cargos: governador, senador (uma vaga), deputado federal, deputado estadual, além de prefeito e vereador.

Greves do ABC

Na edição de primeiro de abril de 1964, o Jornal do Brasil informou que Comando Geral dos Trabalhadores decretara greve geral “em apoio ao Presidente João Goulart, paralisando de imediato os trens da Central do Brasil e da Leopoldina, o Porto de Santos e os bondes da Guanabara, com a adesão de universitários.”

A notícia não se confirmou: a greve anti-golpe não foi geral, nem capaz de manter Jango no poder. As lideranças sindicais que não foram imediatamente presas simplesmente debandaram.

Anistia

No dia 2 de abril de 1964, o jornalista Austregésilo de Athayde publicou um artigo no Diário da Noite, pedindo anistia para os derrotados e a devolução do poder aos civis.