Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag Jânio Quadros:

Ranieri Mazzilli como presidente interino

Abaixo, a repercussão da renúncia de Jânio Quadros no Congresso.

Ata da 23. Sessão Conjunta da 3. Sessão Legislativa, da 4. Legislatura, em 25 de agosto de 1961.

(16 horas e 45 minutos)

PRESIDÊNCIA DO SR. MOURA ANDRADE

A renúncia no papel

Jânio Quadros deixou apenas dois registros escritos sobre sua inesperada renúncia. Nesses 50 anos, muito se escreveu sobre o assunto e há, inclusive, algumas suposições cada vez mais consistentes - como a de que ele teria tentado uma manobra arriscada para voltar ao poder nos braços do povo. Mas vale conhecer os dois documentos:

A carta da renúncia

Nesta data e por este instrumento, deixando com o ministro da Justiça as razões do meu ato, renuncio ao mandato de presidente da República.

Brasília, 25 de agosto de 1961

Notícias do golpe na imprensa

O Presidente da República sente-se bem na ilegalidade. Está nela e ontem nos disse que vai continuar nela, em atitude de desafio à ordem constitucional, aos regulamentos militares e ao Código Penal Militar. Êle se considera acima da lei. Mas não está. Quanto mais se afunda na ilegalidade, menos forte fica a sua autoridade. Não há autoridade fora da lei.

Composição do MDB

A palavra chave para a compreensão da composição do Movimento Democrático Brasileiro é heterogeneidade. As origens partidárias dos filiados ao partido são diversas – assim como acontece na Arena –, não apenas por uma “conseqüência natural do modo artificial pelo qual foi estabelecido o bipartidarismo, mas também refletia a falta de clareza do caráter ideológico e representativo dos antigos partidos políticos”, como aponta a historiadora Maria D'alva G. Kinzo.

SNI

O Serviço Nacional de Informações nasceu em julho de 1964, mas há muito tempo a espionagem operava no país. Desde 1956, o serviço secreto brasileiro teve cinco siglas diferentes – Sfici (Serviço Federal de Informações e Contra-informação), SNI (Serviço Nacional de Informações), DI (Departamento de Inteligência), SSI (Subsecretaria de Inteligência) e Abin (Agência Brasileira de Inteligência) – e ocupou diversas posições dentro da estrutura do Executivo.

Eleições de 1982

As primeiras eleições diretas para governador após o golpe militar (e a parcial de 1965) aconteceram em 15 de novembro de 1982 e foram o maior pleito da história política do país, até então. O eleitor podia escolher seis cargos: governador, senador (uma vaga), deputado federal, deputado estadual, além de prefeito e vereador.

Exílio

O golpe militar acabou com o governo de João Goulart e jogou centenas de governistas na oposição. Ao mesmo tempo, a derrota inesperada uniu a oposição de esquerda por algum tempo. Num primeiro momento, essas lideranças se encontraram em Montevidéu, no Uruguai. No dia 2 de abril de 1964, a primeira-dama Maria Thereza Goulart deixou Porto Alegre, com seus dois filhos, e chegou, de avião, à estância Rancho Grande, de propriedade de Jango, no município de São Borja.

Golpe de 64

30 de março de 1964, madrugada. Em Juiz de Fora, o general Olympio Mourão Filho, prestes a se aposentar, ouviu o discurso de João Goulart pelo rádio. Às duas e meia da manhã, acendeu um charuto e registrou no seu diário a seguinte frase: "Não estou sentindo nada e, no entanto, dentro de poucas horas deflagrarei um movimento que poderá ser vencido, porque sai pela madrugada e terá de parar no meio do caminho".

O golpe barrado pelo rádio e pelo povo nas ruas

Eleito vice-presidente para o período 1956 a 1960, João Goulart se reelegeu para o cargo, que assumiu em 1961. Obteve votação apertada, 200 mil votos em relação ao segundo colocado. Já o novo presidente, Jânio Quadros, montado sobre uma aliança desunida, mas conservadora, teve quase 2 milhões de votos de vantagem em relação ao segundo colocado.