Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag João Figueiredo:

Site explica Diretas-Já para nova geração

Folha.com / Brasil Online Editoria: Poder 13/09/2011 – terça-feira

Lembranças do primeiro debate na TV

Na disputa pelo voto direto para o governo dos estados, em 1982, um fato novo foi o uso da televisão. Com a censura abrandada pela abertura política no governo João Figueiredo (e que começara com seu antecessor, Ernesto Geisel) a oposição conseguiu espaço para responder aos ataques do candidato do governo num evento inédito: um debate ao vivo.

O Comício do Anhangabaú

No dia 16 de abril de 1984, aconteceu no Vale Anhangabaú, em São Paulo, o último grande comício da Campanha das Direta. Na mobilização, agora coordenada por um comitê com mais de cem entidades, foram utilizados três milhões de panfletos, 100 mil cartazes e chamadas no rádio e na TV.

A mídia e as Diretas

O primeiro jornal a se engajar efetivamente Campanha das Diretas foi a Folha de S. Paulo. Aqui, vários jornalistas- da Folha e de outros veículos - tratam do assunto. E reconhecem que a militância a favor da democracia os levou a inflar muitos cálculos das multidões.

A volta de Brizola ao Brasil

Com um terno em tecido jeans e um distintivo tricolor do antigo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), hoje Partido Democrático Trabalhista (PDT), na lapela, o engenheiro Leonel Brizola chegou ao aeroporto de Foz do Iguaçu às 17h25 do dia 06 de setembro de 1979, para encerrar o mais longo exílio já vivido por um político brasileiro. Ele desceu de um bimotor Piper de oito lugares que o trazia de Assunção e atravessou a pista acenando alegremente.

SNI

O Serviço Nacional de Informações nasceu em julho de 1964, mas há muito tempo a espionagem operava no país. Desde 1956, o serviço secreto brasileiro teve cinco siglas diferentes – Sfici (Serviço Federal de Informações e Contra-informação), SNI (Serviço Nacional de Informações), DI (Departamento de Inteligência), SSI (Subsecretaria de Inteligência) e Abin (Agência Brasileira de Inteligência) – e ocupou diversas posições dentro da estrutura do Executivo.

Greves do ABC

Na edição de primeiro de abril de 1964, o Jornal do Brasil informou que Comando Geral dos Trabalhadores decretara greve geral “em apoio ao Presidente João Goulart, paralisando de imediato os trens da Central do Brasil e da Leopoldina, o Porto de Santos e os bondes da Guanabara, com a adesão de universitários.”

A notícia não se confirmou: a greve anti-golpe não foi geral, nem capaz de manter Jango no poder. As lideranças sindicais que não foram imediatamente presas simplesmente debandaram.

Anistia

No dia 2 de abril de 1964, o jornalista Austregésilo de Athayde publicou um artigo no Diário da Noite, pedindo anistia para os derrotados e a devolução do poder aos civis.

Pluripartidarismo

Em maio de 1975, Ulysses Guimarães, acompanhado pelo secretário-geral do MDB, Thales Ramalho, encontrou-se com o general Golbery do Couto e Silva. Uma reunião ultra-secreta, vinculada ao compromisso de que nada do que fosse conversado ali poderia ser levado adiante.

Generais no poder

João Baptista de Oliveira Figueiredo foi o último general a chegar à presidência da República na ditadura. A ele caberia completar o projeto de abertura lenta, segura e gradual planejado pelos generais Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva, entregando o poder a um civil alinhado com os princípios da Revolução de março de 1964.