Brado Retumbante

Do golpe às diretas

Paulo Markun

Conteúdo com a tag Vladimir Palmeira:

Luta armada

Foi Leonel Brizola quem primeiro tentou derrubar a ditadura de 1964 pelas armas. Chegou mesmo a estabelecer um contato direto com os cubanos e criou o Movimento Nacionalista Revolucionário, que teve alguns militantes treinados na ilha. Em março de 1965, uma coluna organizada pelo ex-coronel Jefferson Cardim deixou Três Passos no Rio Grande do Sul. Três dias mais tarde, o grupo foi disperado a tiros pelo Exército em Cascavel, no Paraná.

Passeata dos Cem Mil

Para alguns, a chamada Passeata dos Cem Mil não teve tanta gente assim e só ficou conhecida por esse nome graças a mais uma sacada marqueteira do jornalista Samuel Wainer, em busca de uma manchete impactante para sua Última Hora. Outros, como o então líder estudantil Franklin Martins, asseguram que o mar de gente pelas ruas do centro do Rio de Janeiro, no dia 26 de junho de 1968 – ano de extensa movimentação estudantil, ano do AI-5 – foi ainda maior.

Congresso de Ibiúna

“Dirceu – cabelo comprido, barba por fazer, olhar cansado –, disse a seu velho rival na disputa pela liderança na ex UNE: 'Dentro de um mês fazemos um novo Congresso'. No fim da tarde úmida e chuvosa de São Paulo, horas depois, a única tentativa de resistência à prisão: de um ônibus parado diante do QG da Força Pública, na Avenida Tiradentes, o ex-presidente da ex-UNE, Vladimir Palmeira, foge pela porta de emergência e corre descalço pela rua. Os soldados da Força logo o cercam; na luta, Vladimir perde a camisa.

Anistia

No dia 2 de abril de 1964, o jornalista Austregésilo de Athayde publicou um artigo no Diário da Noite, pedindo anistia para os derrotados e a devolução do poder aos civis.

Movimento Estudantil

A primeira entidade estudantil brasileira, a Federação dos Estudantes, surgiu em 1901, mas o movimento estudantil já se fizera presente na história do país antes disso: em 1710 foram os jovens estudantes de conventos e colégios religiosos que enfrentaram a invasão francesa no Rio de Janeiro. Havia estudantes na inconfidência mineira, na campanha da abolição e na república.